Neste primeiro domingo após o carnaval e primeiro da quaresma, A Igreja celebra a abertura da Campanha da Fraternidade. Na Região Pastoral III a celebração aconteceu no Santuário Diocesano da Piedade, Paróquia São Francisco Xavier, em Coronel Fabriciano. Fraternidade e Superação da Violência é o tema da Campanha de 2018 e o Lema: “Vós sois todos Irmãos” (Jó 23, 8).

Caravanas das paróquias foram acolhidas em uma escola municipal onde foi partilhado um café da manhã e, em seguida iniciada a Santa Missa, em caminhada até o Santuário.

O ato penitencial foi feito em etapas, onde os diversos grupos se revezaram para fazer uma confissão das diversas causas que geram a violência, tema da Campanha da Fraternidade de 2018.

Logo na primeira parada foi abordada as causas da violência contra o povo negro, vitimado por longos anos de preconceito e escravidão, ainda presentes em nossa sociedade.

A violência contra a juventude foi o assunto abordado na segunda parada. Os jovens denunciaram a falta de uma política séria a favor da juventude e o despreparo de autoridades em lidar com os problemas, o que tem causado muitas mortes em todo país.

O Padre Hideraldo Veríssimo Vieira refletiu sobre a responsabilidade de cada cidadão como promotor da violência, seja no trânsito, em casa, no trabalho. “Não basta ser contra a violência, é preciso promover a não violência”, insistiu ele.

A violência doméstica nem sempre é registrada, denunciada e combatida, conforme denunciou um grupo de jovens através de teatro, durante a última parada.

A Santa Missa foi concelebrada por vários padres e diáconos  da Região Pastoral III. Na homilia, o Padre Pascifal José do Nascimento destacou que, desde a Aliança (Gn 9, 8 -15), Deus se faz presente em nossas vidas e não aceita que nenhum de seus filhos seja exterminado como vítima da violência.

“É preciso viver o batismo, que nos torna imitadores de Cristo”, disse ele. Assim como Cristo sofreu as tentações do deserto, nós também vivemos num deserto pessoal onde em todos os momentos somos incitados, tanto para o bem quanto para o mal, para o certo e para o errado, para a violência e para a não violência”

“Chega de violência contra os negros, as mulheres, os índios! Chega de violência contra os pobres! Chega de violência contra a natureza”, terminou ele.

Fotos: Por Pastoral da Comunicação (Pascom)
Alvismar Gonçalves, Ademir Lourenço, Nilson Salvador e Paulo